Gold no Canadá...

domingo, março 11, 2007

Balanço de 4 meses...




Queridos amigos,

Estes dias depois de alguns momento de reflexão e alguns e-mails respondidos, fiz um balanço de meus quatro meses de Canadá: No geral o saldo foi bem positivo.

Comecemos pelo lado que todos já conhecem e esperam ao vir pra cá: A saudade. Sempre foi e é o maior problema que eu enfrento desde que cheguei ao Canadá e algumas das coisas que eu mais temia acabaram acontecendo, não por culpa de ninguém, mas simplesmente porque é assim que a vida funciona. Continuo tendo contato com minha família imediata (Pais e irmãs), alguns amigos que são mais próximos também mandam notícias, mas no geral, ao vir pro Canadá, me tornei o Goldman (sabe aquele que mora no Canadá?), o amigo que mora longe, que é doido porque largou uma vida estabilizada no Brasil e simplesmente mudou para o Canadá. Acreditem, já escutei gente me dizendo que eu simplesmente larguei tudo o que tinha e mudei pra cá, como se eu tivesse acordado um dia, colocado duas cuecas dentro de uma mochila e dito: gente, to indo pro Canadá, té mais!

Como se fosse simples assim. Quem dera...só quem nunca pensou em imigrar (legalmente) é que pode colocar a palavra simplesmente numa frase destas, mas tudo bem...

Bom, voltando ao ponto: involuntariamente virei aquele conhecido de algumas pessoas que mora lá no Canadá, fazer o que?

No geral, o ponto mais negativo de todo o processo foi este, com o tempo a gente acaba se acostumando com a distância e as barreiras físicas, os temores sempre estão na nossa mente, por exemplo, minha mãe tem uma saúde muito delicada e cada vez que ligo pra ela e meu pai, e sei que ela não está bem, meu coração fica todo apertado porque se alguma coisa acontecer, não vou poder fazer nada. Apesar de que meu pai e minhas irmãs estão sempre ao lado ajudando, o sentimento de impotência continua...

Felizmente a maioria dos pontos pensados foram positivos:

- O crescimento pessoal no que diz respeito ao lado social é impressionante e perceptível a olhos nus. Tornei-me uma pessoa mais sociável e aberta e de um modo geral, procuro escutar experiências e conhecimentos de outros como um referencial.

- A independência que adquirimos também é impressionante. Apesar de que a maioria das pessoas imigram com família, aos que imigram sozinhos, digo: aguentem as pontas, porque no começo é barra, mas como sempre depois da tempestade sempre vem a bonança, quando nos acostumamos com a nova situação, aprendemos a caminhar com os próprios pés. No Brasil sempre fui muito dependente emocionalmente da minha família e amigos, morava sozinho, mas não conseguía passar uma semana sem ver meus pais e saber notícias de minhas irmãs. Agora eu falo com meus pais mais ou menos com a mesma frequência e sei notícias de minhas irmãs com a mesma frequência (uai...o que mudou mesmo?). Ah tá, agora a diferença é que quando tenho meus problemas, tenho que pensar sobre eles e tomar minhas decisões sem esperar que as pessoas tenham tempo de se envolver. Ao ler isso, pode-se ter uma impressão de que é uma coisa negativa, mas quando chega-se ao ponto em que não dá pra tomar uma decisão sozinho, vejo que é uma coisa positiva sim.

- O controle financeiro: não sei se isso acontece com a maioria, mas de qualquer forma, ao chegar no Canadá tiver que mudar radicalmente meus hábitos de gasto, em relação aos que eu tinha no Brasil, pelo simples fato que eu não tinha cartão de crédito aqui e o dinheiro que eu tinha, estava destinado a um propósito. Por isso, hoje estou mais controlado e apesar de estar ganhando menos que ganhava no Brasil, estou muito feliz, porque aos poucos estou chegando ao nível de controle financeiro que sempre almejei.

- Uma nova perspectiva: sempre fui reclamão e isso é fato, e pior ainda, eu não escondo isso de ninguém. Mas quando vim morar no Canadá, comecei a ter uma outra perspectiva de muita coisa, da vida em geral, da convivência entre as pessoas e do meu país (tá, eu moro no Canadá, mas nem por isso sou menos brasileiro que ninguém aí...). Antes de vir pra cá, eu só conseguía ver as coisas ruins, agora ainda vejo as coisas ruins, mas também consigo ver as coisas boas e não reclamo mais do calor...(mentira...reclamo sim, mas bem menos...). Mas só um detalhe: apesar de conseguir ver as coisas boas isso não quer dizer que eu agora ache o país o melhor lugar do mundo, porque se achasse já teria voltado. O que quero dizer é que agora consigo enxergar que existem coisas boas no Brasil e que quando volto ao Brasil para visitar minha família, consigo ver isso...

Bom, no geral meus amigos o balanço está sendo muito positivo, e estou gostando daqui e ainda me adaptando aos poucos, mas hoje acredito que este processo não leve menos que um ano, e hoje ao comer a comida cheia de pimenta e doce daqui, já não me sinto tão mal e estou quase começando a gostar deste tipo de comida (como o sweet and sour chicken do Manchu Wok...).

Quero mais uma vez agradecer a todos pelos comentários e e-mails e quero ainda dizer que é um grande prazer receber e-mails de pessoas que precisam de qualquer tipo de ajuda para vir para o Canadá, nem sempre tenho as respostas, mas vou tentar da melhor forma que puder, ok?

Abraços a todos e sucesso,

10 Comments:

  • Fala meu chapa, beleza?
    Muito bom saber que vc está indo bem, contudo sempre existem barreiras para serem vencidas.
    Boa sorte!!!
    Abraço

    By Anonymous Anônimo, at 2:32 PM  

  • entao silva avida no canada e assim ,mas da pra superar ter força fera que as coisas melhoram.me fala alguma coisa das cervejas dai porque eu vou entra nun processo imigraçao este ano,bom eu ja morei em portugal,espanha e londres,sera que isso na adaptaçao,depois a gente conversa mais valeu cara.georgeton santos.

    By Anonymous georgetonsantos@gimail.com, at 4:32 PM  

  • É, pra gente você é o amigo desnaturadao que nos abandonou no Brasil. hehehe

    ps> já perdi as contas de quantas vezes estávamos fazendo alguma coisa e do nada alguém lembra de você e fala "ahh se Gold estivesse aqui..."

    Sexta mesmo Sandro soltou uma dessa. No caso específico dele, ele disse "o Goldinho".

    Abração e ótima semana

    By Blogger Ual, at 7:59 AM  

  • Olá Goldman,

    Muito bacana seu depoimento...espero que os próximos ANOS sejam de imensa alegria!!!

    Chegarmos aí dia 20/03, está quase chegando...

    Abraços,

    By Anonymous Adriana-Dri, at 8:02 AM  

  • Parabéns pela aquisição de tantos pontos positivos.
    Isso é muito importante !!!

    Abraços,
    Fabrícia.

    By Blogger , at 12:40 PM  

  • Caramba, Goldman, vc escreveu aih tudo o q eu ja pré-sinto que vou sentir. rs...
    Acho q já comentei isso com vc, e apesar de eu tentar me preparar psicologicamente para a saudade e pro afastamento inevitavel de algumas pessoas, já me pego querendo choramingar toda vez que penso nisso. Mas obrigada pelas palavras de otimismo e pelo saldo positivo. Afinal de contas, e por este saldo que queremos imigrar, né não?
    Grande beijo.

    By Anonymous Manu, at 5:01 PM  

  • Nossa, como vc tem crescido a cada dia... a cada saudade, a cada obstáculo vencido... fico muito feliz por vc e te acho um cara muiiiiito corajoso, parabéns.
    Fique com Deus e que Ele continue te abençoando sempre.
    Imagino como vc faz falta por aqui.
    Bjs

    By Blogger Wanda, at 8:10 AM  

  • Com certeza, a saudade é o maior desafio, pelo menos pra mim. Eu me adapto fácil a novas culturas, novos hábitos, mas a saudade é foda. Comecei cedo quando vim morar em Brasília e deixei mnha mãe e minha irmã em Teresina. Depois, quando fui morar nos EUA e deixei amigos aqui. A mesma coisa quando voltei para o Brasil e deixei os amigos lá. A saudade é a única coisa que me faz chorar de verdade quando preciso me mudar para um outro lugar, não é nem o medo do que irá acontecer nesse novo lugar, de fato é a saudade.
    Beijos

    By Anonymous Christian, at 9:59 AM  

  • Gostei do blog. E realmente seus 4 meses foram otimos. E mais importante, arrumou um bom emprego rapidinho. Tenho um pouco de dificuldade ainda, mas o problema eh a lingua. Aprendi um pouco de ingles e frances soh aqui no Canada. E depois dos 25 anos. Estou tendo aulas particulares de ingles agora, para melhorar a pronuncia. Estou empregada temporariamente, na condicao de melhorar a pronuncia. Morro em Ottawa, mas estou sempre em Gatineau (setor Hull). Prefiro tudo daih, ou melhor, tudo do Quebec.

    By Anonymous Anônimo, at 5:47 PM  

  • Ah, esqueci. Brasilia inteira vai mudar para Gatineau agora eh? Morei uns dois anos em Brasilia, antes de me mudar para cah.

    By Anonymous Anônimo, at 5:52 PM  

Postar um comentário

<< Home