Gold no Canadá...

domingo, fevereiro 24, 2008

O conto das havaianas




Amigos,

Este post não está relacionado ao Canadá.

Hoje acordei com a lembrança das férias que passei em Salvador uma vez. E resolvi compartilhar com vocês. Todos os nomes serão alterados para manter a privacidade dos participantes.

Isso aconteceu em dezembro de 1997. Fui passar 2 semanas de férias em Salvador com dois amigos, o Ricardo e a Paula.

Estávamos todos na faculdade, e todos trabalhavam muito, por isso resolvemos ir para lá, para curtir praia por uns dias e voltar para Brasília para voltar a trabalhar em janeiro.

Nosso primeiro fato interessante aconteceu no nosso primeiro dia na cidade. Chegamos a Salvador após uma longa viagem de ônibus e fomos para o Albergue da juventude deixar nossas coisas e já seguir para a praia. O Ricardo já conhecia a cidade e sendo assim, sugeriu que fóssemos para uma praia mais distante chamada Piatã, que apesar de ser mais distante era mais limpa e segura.

Seguimos de busão, e ao chegar, eu neurótico como sempre, amarrei nossas mochilas e a bolsa da Paula na cadeira de praia. A Paula tranquila como sempre desamarrou a bolsa para pegar alguma coisa e deixou solta, depois de uns 10 minutos, um vendedor de castanhas que estava passando, olha para ela e diz:"Moça, você foi roubada!" e a Paula, inocente, fala:"Eu??? Imagina... Acho que o Sr. Tá enganado." e ele responde mais uma vez:"Cadê sua bolsa?" E somente então que ela se dá conta que sua bolsa sumiu...

Desespero geral, e mais ainda quando descubro que a Paula, havia levado a bolsa para a praia contendo objetos essenciais para uma tarde na praia, como por exemplo: talão de cheques, a carteira completa (incluindo cartões de banco e todo, isso mesmo TODO o dinheiro que ela havia levado para suas férias) e passagem de volta. O porquê dela ter levado isso tudo para a praia não foi esclarecido até hoje.

Depois do choque inicial, fomos fazer o essencial e registrar a ocorrência na Delegacia, e a primeira que achamos perto da praia somente funcionava de segunda a sexta em horário comercial, mas tudo bem. Seguimos para a outra que nem ficava tão longe. Registramos a ocorrência e considerando que a Paula estava muito nervosa e chorando, numa tentativa de melhorar seu estado de ânimo, eu sugeri que ela abraçasse o cara da delegacia para tirar uma foto, mas eu disse isso rindo, e claramente brincando, mas quando o cara abraçou ela, eu tive que tirar uma foto...a qual eu tenho até hoje, mas não posso publicar por razões de segurança da minha família que ainda mora em Brasília, porque mesmo que ela não consiga mandar me matar aqui em Ottawa, a Paula sabe onde minha família mora...

Bom, depois disso, nos sugeriram que voltássemos a praia para verificar se alguém havia achado a carteira dela com os documentos pelo menos. Chegamos no posto policial da praia e explicamos nossa situação, e o guarda de plantão pegou o primeiro menino de rua que ele viu passando, e perguntou:" Você roubou esta mulher?", depois de mais ou menos um minuto olhando para a cara da Paula, o menino respondeu:" Não, esta aí não..." e o guarda olhou para a Paula e disse:"tá vendo? eu não achei nada e ele tá dizendo que não roubou a senhora, então não posso fazer nada." E depois disso, voltamos para o albergue, onde a Paula foi escurraçada por seu pai via telefone. E para compensar isso, ela e o Ricardo resolveram encher a cara e sentar numa mesa de bar no meio do pelourinho, também tenho uma foto disso, que não posso publicar pelas mesmas razões supracitads. E haja ressaca no dia seguinte...

Depois disso, a Paula ficou mais esperta e continuamos tentando aproveitar nossas férias. Como a Paula estava sem dinheiro para fazer algumas coisas não-essenciais, como comprar comida, passamos quase duas semanas comendo miojo...

Bom, para encurtar um pouco a história, nos últimos dias de nossas férias, fomos passear no parque do pituaçú perto da praia de piatã, e enquanto caminhávamos, vimos um guarda passar correndo e ele nos disse: andem em grupos porque estão assaltando pessoas aqui no parque. Escutamos o aviso do guarda e seguimos nosso caminho. Mais ou menos uns 5 minutos depois, do meio do mato, sai uma criatura de mais ou menos 1,90m, com a mão embaixo da camisa e nos dá boa tarde. A Paula que já tava escolada, só olha para mim e diz :É hoje!!!

Como estámos todos antevendo o que iria acontecer, ficamos todos calados, ao que o indivíduo repete o "boa tarde", e depois que respondemos ele, nos informa o seguinte:"isso é um assalto, todo mundo passa o chinelo!".

Na hora me deu um frio na barriga danado, porque eu estava com uma mochila com todas as 3 máquinas fotográficas, as carteiras e as toalhas de praia, mas acho que como ele estava com pressa, só queria nossos chinelos. Tiramos os chinelos e jogamos para ele.. e ele só nos diz para ir embora e nem olhar para trás, o que fazemos. Depois de uns 30 segundos, o cara começa a gritar pela Paula:" Moça, peraí!" e ela ao perguntar o que ele queria, ouve a seguinte pérola:" Leva esta porcaria desta havaiana de volta, que isso eu não quero!!!" (Havaianas não eram produto de exportação na época).

Pausa para observação: imaginem a cara de uma pessoa que acabou de ser assaltada e humilhada.

A Paula depois de escutar isso, começa a gritar com o cara:" Que humilhação!!! Agora pode levar!!!! Que absurdo!!!" e eu não sei se ela estava dizendo isso de nervoso ou o que, mas ela estava falando sério. O cara já havia jogado as havaianas de volta e já havia sumido no meio do mato há muito tempo. Cheguei perto dela e discretamente disse:" criatura, cala a boca porque ele tem uma arma e vamos embora!!"

E acreditem, ela veio reclamando o caminho todo de volta para o albergue que se sentia humilhada.

Estávamos no começo do verão em Salvador e eram umas 4 horas da tarde. E depois de termos nossos chinelos roubados, tínhamos que chegar ao albergue descalços e para isso tínhamos que atravessar ruas e coisas assim, descalços por sinal e com a Paula reclamando. E neste ponto, eu mesmo já estava considerando a possibilidade de roubar a chinela da Paula eu mesmo, mas achei melhor não.

Chegamos no albergue com os pés cheios de bolhas e a Paula reclamando.

E depois disso fomos dormir...

É...estas foram minhas férias de dezembro de 1997...E eu continuo guardando as fotos da Paula, esperando o dia em que ela for rica ou pousar para a playboy para a gente negociar um preço para estas fotos...

Abraços,

Marcadores:

5 Comments:

  • hahahaha....cara...essa foi ótima!!!
    realmente nessas praias a gente tem q ser malandro...
    Quando fui pra Salvador neste carnaval, quando eu saia, só levava o plastiquinho da minha carteira de motora, com a mesma dentro e um dinheiro pra comida e onibus.Só...Ah...e detalhe...o plastiquin ficava debaixo da pauminha(acho q se escreve assim..rs...)do meu tênis. O cara só levava minha grana, se roubasse meu tenis (todo detonado, por sinal)hehehee.

    Agora uma coisa legal q vi esse ano em fortaleza, foi q em algumas praias lá, vc tem um armario com chave em cada barraquinha. Daí vc joga tudo lá dentro, tranca e vai tomar banho de mar sossegado. Massa néé???

    Muito boa a história Gold!!!!

    Ah...não sei se vc já conhece...por esses dias encontrei um site massa q se chama www.hospitalityclub.org e o www.couchsurfing.com, dá uma olhada e depois me diga o q achou.

    Abraço

    By Blogger Ismael Oliveira, at 6:47 AM  

  • Nossa Goldman,

    Vc se superou nessa estória, eu nunca ri tanto, e olha que não conheço a Paula hein...Imagina se eu conhecesse :)
    Enquanto lia ficava imaginando cada cena, realmente vc escreve muito bem, mais uma vez essa estória me fez ri como há muito tempo eu não ria, e eu tava precisando muito disso :)

    Valeu e um grande abraço,

    Valéria

    By Blogger Alexandre, at 11:15 AM  

  • Corrigindo...eu quis dizer "paumilha"....dããã....

    By Blogger Ismael Oliveira, at 12:12 PM  

  • Que situação. rs Essa superou todas. Eita férias divertidas, hein? rs Mas eu também tentaria obrigar o cara a levar o meu chinelo. rs Onde já se viu?

    Carol

    By Blogger Carol, Ênio e Leila, at 4:35 AM  

  • Passei aqui só pra ler o conto das havaianas novamente... Confesse, nunca mais vc terá férias como essas... Não consigo parar de rir... Te garanto q posso ver a cena...rs

    By Blogger Patricia, at 7:36 PM  

Postar um comentário

<< Home