Gold no Canadá...

sábado, janeiro 05, 2008

Primeirão do ano




Queridos amigos,

Ao contrário do que alguns podem estar pensando, eu não abandonei o blog, eu só estava de férias e como minha querida amiga Manu me disse, eu tinha que aproveitar minha família, né gente? Afinal de contas eu estava há quase um ano sem ver as pessoas mais importantes da minha vida.

Agora que tenho um pouco mais de tempo, posso contar mais detalhes da viagem, que foi relativamente tranquila até a chegada ao Brasil. Quando cheguei ao Brasil às 11:30 da manhã, passei correndo pela alfândega para poder pegar meu vôo para Brasilía às 13:20. Pego a imensa fila da GOL e ao realizar o novo check-in fui finalmente informado que meu vôo atrasaria "um pouquinho", mas não sabiam ainda a extensão deste pouquinho...como não tinha o que fazer mesmo, fui sentar e esperar...detalhe: minha sinusite que não dava sinal de vida há tempos resolveu que seria desaforo eu tirar férias sem ficar doente e a esta altura do campeonato, meu rosto latejava e meu ouvido também. Meu vôo que deveria sair de SP às 13:20 acabou saindo às 16:20 e depois de chegar a Brasília, ainda levou quase 40 minutos para recebermos nossas malas, que pelo menos chegaram.

Ao sair da área de desembarque, veio a melhor parte da viagem: o encontro com minha família. Não tem como descrever o quanto é bom abraçar meus pais, minhas irmãs, e meus sobrinhos (e antes que achem que eu não gosto dos meus cunhados, eu respondo: eles estavam trabalhando, mas gosto deles também). Foi um abraço muito gostoso e muito esperado, um abraço apertado de quem te conhece desde que nasceu e que conviveu com você e te ama apesar de todos os seus defeitos (mal humor, bafo, etc...), isso não tem preço mesmo gente.

Eu nunca tive noção do quanto um abraço pode ser precioso. Mas neste dia, eu percebi.

Meus primeiros dias em Brasília foram recheados de dores de cabeça, muita cama e antibióticos (que podemos comprar sem receita, eheheheh), mas aos poucos a sinusite foi cedendo e comecei a aproveitar melhor minhas férias.

Coisas bobas, como tomar guaraná antártica, comer pão de queijo, chambinho, melancia tiveram um gosto especial. Perceber o quanto meus sobrinhos creceram e escutar os gritos deles enquanto brincam foi surpreendente.

A vida continua. E o engraçado é que tudo parece igual e diferente ao mesmo tempo. Este contraste é uma delícia. A descoberta do que conhecido é fascinante, e isso tudo regado a colinho de mãe e pai.

Engraçado, porque eu nunca achei que as melhores férias da minha vida seriam em Brasília, mas foram.

Encontrei amigos, que não via há muito tempo, e outros de quem eu nem tinha notícias e como são amigos, parecia que a gente tinha se encontrado ontem.

Fui a botecos com amigos e observei as pessoas conversarem e me encantei ao perceber que não precisava fazer nenhum esforço para entender o que elas diziam e que mesmo que eu não prestasse a atenção eu ainda ouviria e entenderia grande parte do que elas diziam.

Falar e escutar sua língua dá uma sensação de conforto muito grande. Eu falo inglês desde os 15 anos de idade e nunca tive problemas com isso, mas agora que moro fora, a língua é uma forma que temos de manter contato com nossa própria cultura e por isso eu não critico os québécois, que lutam pelo direito de continuar falando francês.

Não vou entrar nos detalhes dos dias que passei no Brasil, apenas direi que foram dias maravilhosos.

Na minha viagem de volta, aconteceu algo inédito para mim, que em geral sou meio calado. Por alguma razão divina eu tava com a matraca solta, e quem me desse trela tava no sal, eu puxava papo mesmo, eheheh.

Já na fila da AirCaanda em SP, encontrei com uma pessoa super gente boa que estava indo para Montreal fazer um mês de francês. Conversamos bastante sobre Montreal, as diferenças do francês e aproveitei para fazer o convite para que ela venha à região da capital nacional, pois é muito bonita e perto de Montreal.

Dentro do avião, a pessoa sentada ao meu lado, estava indo para Montreal (acho que eu era o único que estava vindo para Ottawa, eheheh) fazer um curso de francês também, mas com vistas ao processo de imigração e ao conversar mais sobre o processo, acabamos descobrindo que o Frederico também conhecia meu blog, e aí foi uma festa geral... eheheh. Aproveitei para convidar o Frederico para vir conhecer a cidade também e conversamos muito. Acabamos nos separando dentro do aeroporto de Toronto, na área da alfândega.

E agora queridos amigos, estou aqui, desfazendo malas, olhando para esta brancura toda na minha janela, morrendo de saudades da minha família e pensando que daqui a duas semanas o bicho vai pegar com minha mudança.

Mas vou descansar hoje antes de me estressar com qualquer outra coisa, né?

Abraços a todos e bom final de semana,

6 Comments:

  • Gold, minha esposa tbm tem problema de sinusite. Uma coisa que ela aprendeu foi a sempre levar uma caixinha de Tilenol Sinus na bolsa quando viaja. Esse remedinho ajuda bastante a compater os sintomas até que se possa fazer um tratamento adequado.

    By Blogger victormirsky, at 2:21 PM  

  • Poxa Goldman, podíamos ter combinado de ir juntos para BsB, pois percebi que estávamos no mesmo vôo da Air Canada, além de ficarmos esperando o avião da Gol chegar em Guaruhos... Quando li o seu relato achei que era o meu, a única diferença é que voltei para Montréal bem calado... Muito estranha a sensação de deixar sua cidade natal, muitas coisas passaram na minha cabeça...
    Até mais,
    Márcio

    By Anonymous Márcio, at 6:57 PM  

  • Que delícia!! Eu tô curtindo meus pais aqui mesmo, eles vieram nos visitar! Mas não vejo a hora de voltar ao Rio pra ver minha galera tb... devemos ir no fim do ano, mas ainda não está definido!

    By Blogger Ana, at 6:44 PM  

  • E ai, amigo. A pergunta que nao quer calar: como foi a sensaçao de estar de volta, pela segunda vez, à sua nova casa? Como vc sentiu aqui? Minha preocupaçao quando eu for pro Brasil, nao vai ser a ida, mas sim, como vou me sentir na volta. rs...
    Que bom que vc curtiu la, viu. Comeu muita carne?? rs...

    Bjo grande.

    By Blogger Manu, at 3:37 PM  

  • Oi Goldman! Achei massa essa foto nova!

    By Blogger Anna Braga, at 11:58 AM  

  • Gold,imaginei toda essa tua situação só que em minha pessoa... eheheh é difícil de acreditar, mas nem fui ainda para Toronto ( faltam alguns dias) mas já estou imaginando a minha volta!! Imaginei perfeitamente essa tua sensação de poder ouvir as pessoas num bar sem ter que pensar ou traduzir mentalmente o que estão falando! Deve ser uma sensação muito indescritível!!!
    Bom, passei só para fazer esse comentário! apesar de não postar muito seguido por certa falta de organização ( não posso dizer que é falta de tempo - eheheh), sempre que dá dou uma "lidinha" no teu blog!
    Um abraço e bom retorno nas terras geladas!
    Abraço!
    Fernanda

    By Blogger Fer & Rê, at 1:34 PM  

Postar um comentário

<< Home